Make your own free website on Tripod.com

O que é uma Instituição

Prof. André Barros

 

INTRODUÇÃO

Duas linhas de pensamento destacaram-se na tentativa de explicar as organizações:

A RACIONALISTA e a ORGANICISTA.

A primeira, propondo que esses sistemas, são estruturas racionalmente ordenadas destinadas a propósitos específicos; A segunda, estabelecendo aquelas como organismos sociais vivos que evoluem com o tempo.

Na tentativa de amalgamar essas correntes SELZNICK (1972), propõe que as organizações são instrumentos técnico-racionais, utilizados para canalizar a energia humana na busca de objetivos pré-fixados, com a sobrevivência dependente de suas capacidades de atingir esses propósitos e de adaptarem-se às mudanças ambientais para evitarem a obsolescência técnica.

No sentido lato, instituição significa padrões de comportamento e processos, estáveis, válidos e constantes, num determinado grupo social. Um exemplo seria: Cartões de crédito, casamento, maternidade, família, democracia e capitalismo.

Em sentido restrito, é um organismo vivo, advindo das necessidades e pressões sociais, valorizada pelo público interno e externo que se tornam dela dependentes, com identidade própria. preocupada com os seus resultados, sua perenidade e guiada por uma missão.

 

A ligação entre as duas - organização e instituição - acontece quando as organizações incorporam normas e valores considerados legítimos e especialmente preferidos por seus indivíduos e pela sociedade.

 

2 - DIFERENÇAS ENTRE ORGANIZAÇÕES E INSTITUIÇÕES

As organizações caracterizam-se por: Racionalidade na divisão do trabalho; preocupação com a produtividade e o controle; monitoramento constante quanto ao atingimento dos objetivos; relacionamentos impessoais; hierarquia formal; formação de lealdades com a autoridade, no propósito de facilitar o processo decisório; e, cooperação dirigida ao alcance dos fins propostos.

Enquanto isso as instituições distinguem-se por: concentração de energia na efetividade, mesmo quando tecnicamente obsoletas; fusão dos objetivos pessoais e institucionais; busca da sobrevivência e do desenvolvimento à partir da relação (legítima) clientes-patrocinadores; ações guiadas pela missão; conceitos e crenças intrínsecas cujo somatório forma o núcleo da cultura, que é uma mística manipuladora do comportamento, punindo ou premiando quem age de acordo ou contra esses padrões; um tipo de estruturação cuja base é funcionalista*, onde os aspectos informais sobrepujam os formais; ter o carisma como base à autoridade; possuir grande organicidade; sustentar capacidade à inovação; ser um organismo com história, personalidade e identidade própria; e, transmitir seus valores a outras instituições.

3- SURGIMENTO DAS INSTITUIÇÕES

As instituições aparecem de duas maneiras: Deliberadamente; ou, como organizações que se transformam gradualmente, via um processo denominado institucionalização organizacional.

Esse processo tem início quando pessoas com identidade de interesses e consciência de interdependência entre elas, partem para a formação de grupos. Estes, quando compartilham valores e criam objetivos utilitários à sociedade, transformam-se em associações. Dependendo da relevância que a sociedade perceber nos objetivos dessas associações. elas tomam-se os embriões de uma instituição.

 3.1- A INSTITUIÇÃO DAS ORGANIZAÇÕES

Uma organização pode dar início ao seu processo de institucionalização de duas formas - naturalmente ou deliberadamente.

Na primeira, quando, mesmo atendendo às demandas ambientais, ela consegue preservar as suas características básicas.

Na segunda. quando esse processo é, antes de tudo, uma estratégia concebida e utilizada para possibilitar o alcance de objetivos organizacionais; a disseminação

* Cada uma das partes da instituição é determinada pelo TODO institucional que, além de ter mais importância que cada uma delas, é um padrão, a partir do qual, elas (partes) pautam sua atuação.

de idéias nascidas ou compartilhadas pela organização; a difusão de suas inovações; ou mesmo, a adoção de tecnologias oriundas ou partilhadas pela organização com outras, no seu interesse.

A primeira função da organização institucionalizada é a de influenciar o ambiente no sentido de nele provocar mudanças em seu proveito próprio. Esses câmbios, por sua vez, irão influenciar direta ou indiretamente o comportamento das pessoas e grupos sociais, a partir da adoção de valores, ou padrões, desenvolvidos pela organização.

 

São exemplos de organizações institucionalizadas, as igrejas, alguns sistemas governamentais como o fisco e a extensão rural, empresas estatais como o BNDES, o Banco do Brasil, empresas multinacionais como a Gillete, a Volkswagen, a Souza Cruz, a Coca-Cola, empresas nacionais como a Rede Globo, clubes como o Flamengo e Corinthians, centros de "Shopping" e diversão como o Conjunto Nacional e o Gilberto Salomão e até micro empresas como o cachorro quente do Landi.